Livro

A formação de Guy Postiaux basea-se no seu livro:

  • edições Deboeck-Université – Bruxelas, com CD sobre auscultação. A 1ª edição apareceu em 1998, a 2ª edição em 2000 e a 3ª em 2003.TRADUZIDO em Espanhol, Português e Italiano
  • "La kinésithérapie respiratoire de l'enfant", aux éditions Deboeck-Université à Bruxelles. 3ème édition, avril. 2003. Avec CD d'auscultation pulmonaire.
  • "Fisioterapia respiratoria en el nino". Ed Mc Graw Hill Interamerica, Madrid, 1999. Avec CD d'auscultation pulmonaire.
  • "Fisioterapia Respiratoria Em Pediatria" éd. Artmed Editora. Porto Alegre, Brazil. 2003.
  • Co-auteur de: "Dysphagie, Evaluation et Rééducation des Troubles de la Déglutition", aux éditions Deboeck-Université à Bruxelles. éd 2002. avec CD-ROM.

INTRODUÇÃO DO LIVRO DE GUY POSTIAUX

"Este livro tem uma dupla vocação, a de um tratado e a de um manual prático. Como é que estes dois conceitos podem coabitar na mesma obra?“

O objectivo de um tratado é o de fazer o “estado da arte” a propósito das técnicas de fisioterapia respiratória apoiados nos argumentos científicos que lhe estão subjacentes, justificando as suas indicações, as contra-indicações e os efeitos potenciais ou comprovados.

Trata-se de alguma forma de um catálogo e todo o catálogo pressupõe uma classificação. É um facto que a habitual classificação nosológica não me satisfaz, pois para lá da sua carência pedagógica estrutural, ela ignora com frequência a semiologia e a fisiologia específicas que devem guiar a acção do terapeuta no terreno.

É a realização do manual com finalidade prática que me permitiu propôr uma outra classificação das técnicas de fisioterapia respiratória que constitui o esqueleto da presente obra, onde o título contém a chave fundamental: trata-se de descrever aqui as técnicas de fisioterapia respiratória inconcebíveis sem a ajuda da auscultação. Contudo a observação clínica é por ela própria incompleta se o raciocínio terapêutico não se basear na mecânica ventilatória. E foi por fim a ssociação entre a estetoacústica e a mecânica ventilatória que me permitiu, a partir de um conceito “por níveis” da obstrução bronco-pulmonar, de chegar a uma classificação anatómica e funcional das técnicas de fisioterapia e de conciliar o tratado com o manual prático.

A classificação das técnicas de fisioterapia propostas aqui, faz apelo aos quatro únicos modos ventilatórios possíveis que o ser humano é capaz de adoptar: inspirar ou expirar, rápida ou lentamente. Dito de outra maneira, trata-se de realizar com vista à depuração bronco-pulmonar, inspirações ou expirações lentas e forçadas, qualquer que seja a etiologia da obstrução bronco-pulmonar. Estes quatro grupos de técnicas constituem as armas essenciais, técnicas ditas principais de limpeza brônquica com efeitos directos sobre a sua clairance. Todos os outros recursos metodológicos não constituem mais do que adjuvantes: posicionamentos, ajudas instrumentais, vibrações, ...com efeitos terapêuticos indirectos, certamente úteis mas seguramente menos eficazes que os primeiros.

A verdadeira essência deste manual é ensinar a observar, mas sobretudo a auscultar, para permitir uma escolha técnica pertinente em função da idade do pequeno paciente e em seguida avaliar o trabalho realizado. Certamente estas três etapas passaram pelo crivo das objectivações necessárias e suficientes. Este livro é por isso o fruto de um grande número de observações clínicas, especialmente estetoacústicas, objectivadas pela análise de Fourier.

As relações entre o médico e o fisioterapeuta não devem contudo sofrer de qualquer ambiguidade. E mesmo se não me parece, em preâmbulo, de todo necessário justificar aos olhos da classe médica o uso de estetoscópio pelo fisioterapeuta, convém recordar que não se trata para o fisioterapeuta de estabelecer um diagnóstico que consiste em determinar a doença, mas sim identificar um sinal fisíco-acústico preciso capaz de orientar a escolha terapêutica e de controlar os seus efeitos. Esta atitude não admite por isso uma fisioterapia baseada em receitas, armadilha de um simples manual técnico. A riqueza desta fisioterapia reside certamente no seu fundamento semiológico e não nosológico: o exame específico do fisioterapeuta respiratório. O carácter específico e individual de cada doença, escapa de qualquer modo à sistematização, sendo esta essencialmente didáctica.

A minha ambição confessa é a de que este livro contribua para o reconhecimento do que deve ser já considerado como uma especialização a tempo inteiro da fisioterapia: a fisioterapia respiratória da criança. Esta disciplina apaixonante não exige sómente um grande número de conhecimentos, ela requer igualmente um saber-fazer que o jovem fisioterapeuta só pode adquirir pelo contacto com os colegas mais experientes, face aos riscos eventuais que a sua prática implica, sobretudo nos bébés mais pequenos, mas também porque a auscultação só se aprende no terreno sob a orientação de um monitor experiente.”

 

PREFÁCIO À EDIÇÃO BRASILEIRA

Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal de Minas Gerais

Quando fui convidada por nosso colega e amigo Guy Postiaux para escrever o prefácio da versão em língua portuguesa de seu livro originalmente escrito em francês, vivi um momento de alegria e me senti honrada, visto que acompanho seu trabalho desde 1986, ano em que, pela primeira vez, tive a oportunidade de ler um artigo seu, publicado no ano anterior na revista Kinésithérapie Scientifique. Quase uma década depois, tivemos o primeiro contato pessoal durante uma reunião científica em Bruxelas, na Bélgica, seu país de origem.

Tenho traduzido os cursos de formação ministrados pelo Dr. Postiaux no Brasil, tanto sob os auspícios da Sociedade Brasileira de Fisioterapia Respiratória e Fisioterapia na Terapia Intensiva quanto como professor convidado do Curso de Especialização em Fisioterapia, promovido pelo Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal de Minas Gerais. Essa condição me proporciona um profundo conhecimento dos diferentes assuntos abordados neste livro.

Estamos diante de uma obra densa. É necessário chamar a atenção para a forma cuidadosa, detalhada e didática com que o professor Postiaux escreve sobre a fisioterapia respiratória. Inicialmente aborda dados epidemiológicos e ambientais que concorrem para o aparecimento de diferentes afecções respiratórias na população infantil e fundamenta essas diferentes abordagens na fisiologia respiratória, com especial atenção para os mecanismos que causam obstrução e hiperinsuflação. Tendo por base a ausculta pulmonar, propõe esquemas de avaliação e decisão terapêuticas de extrema consistência e valia tanto para a prática clínica como para o ensino da fisioterapia respiratória.

Nos capítulos em que se dedica às técnicas manuais indicadas na higiene brônquica, as diferentes opções terapêuticas são correlacionadas paulatinamente com a fisiopatologia aplicada. Além disso, é apresentada uma série de possibilidades que podem ser utilizadas com o lactente, preenchendo uma lacuna existente até o presente. Encontramos também uma discussão sobre recursos instrumentais utilizados pelo fisioterapeuta, especialista em fisioterapia respiratória, atuando com pacientes adultos.

Finalmente, são discutidos métodos de avaliação e controle da intervenção realizada, o que contribui para despertar a necessidade de, cada vez mais, voltarmos nossa atenção para a sistematização da prática clínica.

Existem ainda muitas perguntas a responder e muitas evidências a buscar, mas, sem dúvida, estamos diante de uma contribuição valiosa no que diz respeito às intervenções realizadas na fisioterapia respiratória.

Este livro, que é referência obrigatória nos países de língua francesa e espanhola, certamente também o será em nosso país.

Profª Dra. Verônica Franco Parreira

Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal de Minas Gerais

 

 

ÍNDICE

Capítulo 1. Contextos ambientais que motivam um recurso precoce à fisioterapia respiratória

  1. Epidémiologia
  2. Fsiopatologia
  3. Obstrução e hiperinsuflação são as consequências e as características comuns das doenças respiratórias infantis

 

Capítulo 2. Obstrução e hiperinsuflação

  1. Mecanismos da obstrução e da hiperinsuflação
  2. Avaliação instrumental da obstrução e da hiperinsuflação
  3. Avaliações clínicas da obstrução e da hiperinsuflação
  4. Exame clínico e medidas de segurança são as garantias de uma fisioterapia respiratória e eficaz

Capítulo 3. Auscultação pulmonar em pediatria

  1. Introdução
  2. Noções de física acústica: fenómenos vibratórios e parâmetros acústicos
  3. Metodologia de análise acústica
  4. Psicoacústica aplicada à auscultação pulmonar
  5. Sistemática da auscultação pulmonar em pediatria
  6. Prática da auscultação
  7. Forma de rgisto dos ruídos respiratórios
  8. Algumas faixas sonoras demonstrativas

Capítulo 4. Árvore de decisão e exame fisioterapêuticos respiratórios

  1. Procedimento analítico e decisional geral em fisioterapia
  2. Definição fisioterapêutica da síndrome ventilatória obstrutiva
  3. O exame fisioterapêutico específico da obstrução bronco-pulmonar
  4. A fisioterapia respiratória como compensadora da falha dos mecanismos de defesa do aparelho respiratório

Capítulo 5. Princípios gerais da fisioterapia respiratória

  1. Finalidades da fisioterapia respiratória em pediatria
  2. Controvérsias a propósito de uma fisioterapia convencional
  3. Bases mecânicas: a fisioterapia respiratória utiliza a modificação do sinal de entrada no sistema respiratório
  4. 2 anos e 8-12 anos: 2 períodos de transição importantes

Capítulo 6. As técnicas principais de fisioterapia de desobstrução broncopulmonar em pediatria (manuais, não-instrumentais)

  1. As técnicas expiratórias lentas para desobstrução das vias aéreas médias
  2. As técnicas expiratórias forçadas para desobstrução das vias aéreas proximais
  3. As técnicas inspiratórias lentas para desobstrução das vias aéreas periféricas
  4. As técnicas inspiratórias forçadas para desobstrução das vias aéreas extra-torácicas
  5. Em resumo: classificação das técnicas de desobstrução brônquica pelo local de acção e em função da idade.

 

Capítulo 7. As técnicas complementares de desobstrução broncopulmonar

  1. Técnica posisional: a drenagem postural (DP)
  2. A ventilação a pressão positiva expiratória
  3. As vibrações, choro e exercício físico

 

Capítulo 8. A fisioterapia respiratória em neonatologia

  1. A medicina neonatal: uma progressão importante devido ao progresso da reanimação e das propriedades terapêuticas do surfactante pulmonar
  2. A fisioterapia respiratória em neonatologia: uma aplicação particular dos princípios gerais
  3. A metodologia fisioterapêutica em neonatologia
  4. Vibrações, pressões, tosse e aspiração em associação

 

Capítulo 9. Meios de controlo da fisioterapia respiratória

  1. Importância relativa da auscultação pulmonar, da oximetria de pulso e dos sinais clínicos necessários e úteis para objectivar a fisioterapia respiratória
  2. Contra-indicações, sinais de grande urgência, medidas de segurança da fisioterapia respiratória em pediatria

NOTAS

A obra comporta numerosas notas de fisiologia, fisiopatologia, semiologia e de técnicas:

Notas de Patologia

  • A asma do bébé
  • A bronquiolite
  • A síndrome de Kartagener
  • Repercussões respiratórias do refluxo gastro-esofágico
  • A secreção brônquica na fibrose quística
  • A atelectasia
  • A pneumopatia
  • O assincronismo ventilatório
  • A síndrome do lobo médio
  • As bronquiectasias
  • A síndrome de dificuldade respiratória aguda do recém-nascido (SDRA)
  • Doença das membranas hialinas
  • Displasia broncopulmonar (DBP)
  • A síndrome de morte súbita do bébé
  • A otite média aguda
  • A obstrução nasal na criança
  • A coqueluche
  • A insuficiência respiratória crónica da criança

Notas de fisiologia

  • transporte mucociliar
  • A ventilação colateral
  • As características ventilatórias do decúbito lateral ligadas ao desenvolvimento pulmonar

 

Mecanismo da tosse

  • Origem das diferenças regionais de ventilação e perfusão
  • A naso-faringe
  • A laringe
  • O surfactante pulmonar